SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PIRACICABA

Zeladores de escolas passam por capacitação sobre combate a escorpião

17 de maio de 2018 • André Cruz

Atividade foi realizada pelo Setor de Saúde do Escolar da Secretaria Municipal de Educação

Fotos: Fernanda Schmidt

 

Zeladores de escolas da rede municipal de ensino participaram nesta terça-feira (15) e quarta-feira (16), no anfiteatro da SME (Secretaria Municipal de Educação), de uma capacitação sobre o combate a animais peçonhentos, em especial, escorpiões e aranhas. A atividade foi realizada pelo Setor de Saúde do Escolar da secretaria.

No total, 133 profissionais que atuam em escolas de Educação Infantil e Ensino Fundamental participaram da atividade, divididos em três turmas.

De acordo com a chefe do Setor de Saúde do Escolar, Sueli Araújo Pereira, o objetivo do encontro é conscientizar o zelador sobre os riscos que o escorpião representa, principalmente na área externa das escolas. “Nosso foco de atuação principal é o desenvolvimento de ações educativas nas escolas, direcionadas aos professores e de uma forma lúdica também as crianças e, agora, a intenção é que a gente direcione essa ação educativa também aos zeladores”, explicou.

A chefe do Setor de Saúde do Escolar, Sueli Araújo Pereira

O biólogo Alfredo José Rosseto, que atua em empresa especializada em desinsetização, foi o convidado para orientar os zeladores. “É fundamental que os zeladores tenham condições de identificar os hábitos para evitar os abrigos e, assim, controlar a população desses animais”, disse.

Biólogo Alfredo José Rosseto, orientou os zeladores da SME

Das cerca de 1.500 espécies de escorpiões catalogadas, na região de Piracicaba há incidência frequente de duas delas, o escorpião amarelo (Tityus serrulatus) e o escorpião preto (Tityus bahiensis). O primeiro tem uma característica que facilita a procriação. “O escorpião fêmea dessa espécie se reproduz por partenogênese (tipo de reprodução que ocorre sem fecundação) e assim consegue dezenas de filhotes”, explicou o biólogo.

A infestação desse tipo de animal peçonhento é facilitada ainda pela ausência de predadores naturais, como corujas, gaviões, galinhas, sapos e rãs, dificilmente vistos no meio urbano, e oferta abundante de alimentos, no caso baratas.

“A melhor forma de combater o escorpião é a prevenção com medidas físicas (cobrinhas nas portas e telas nos ralos), evitando que eles consigam entrar nas casas. Na rede de esgoto é feito o tratamento para controle de baratas, sua principal fonte de alimento. O controle químico é o último recurso. Sabe-se que a aplicação química diretamente no animal elimina o indivíduo, mas eles se escondem muito bem e o residual que fica na superfície nem sempre é suficiente para controlar”, afirmou.

“As orientações foram muito didáticas e práticas. Penso que despertou o olhar de todos em busca da prevenção para o combate aos possíveis criadouros dos peçonhentos, no caso dos escorpiões e aranhas. Essa exposição feita para a compreensão da cadeia alimentar e ciclo reprodutivo e de vida dos escorpiões nos deixou mais atentos para as prevenções, uma vez que a aplicação química só serve para afugenta-los”, disse a coordenadora do Ensino Infantil da SME, Sandra Perina.

Além do trabalho educativo, rotineiramente, a SME faz a desinsetização em todas as escolas da rede municipal de ensino e orienta os responsáveis pelas unidades sobre a necessidade de instalação de barreiras físicas para impedir o acesso dos escorpiões nas escolas.

Zeladores foram orientados sobre combate a escorpiões 

LIMPEZA – Nos dias da capacitação sobre animais peçonhentos, zeladores também participaram de um treinamento sobre retrolavagem dos filtros de água instalados nas escolas. No processo de retrolavagem, não são utilizados produtos químicos e a limpeza é realizada por meio da operação inversa da filtração.

‹ voltar