SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PIRACICABA

Por meio de projeto, crianças aprendem o ciclo de vida das Joaninhas  

5 de setembro de 2017 • Rafaela Gazetta

 

 

Larva; pupa e adultos. A descrição do processo de metamorfose das joaninhas foi uma das curiosidades que fizeram parte da rotina das crianças do maternal II (3 e 4 anos) da Escola Municipal de Educação Infantil Professor Heitor Pompermayer o ano passado, por meio do projeto Joaninhas em Ação.

O projeto teve como objetivo observar parte do ciclo de vida de joaninhas na alfabetização de crianças de 3 e 4 anos de idade, em conjunto com a professora e dos familiares. O projeto foi objeto de pesquisa das professoras Gelsa Mara Presuto e Draª Tatiana Guimarães Lopes, da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) sob orientação da professora e doutora Rosebelly Nunes Marques, também da Esalq.

De acordo com Gelsa, as professoras da escola participaram de uma formação utilizando as joaninhas como uma ferramenta didática para o ensino significativo de ciências, favorecendo o desenvolvimento de uma alfabetização ecológica nos primeiros anos de inserção na vida educacional. “O trabalho com as joaninhas foi uma continuidade do projeto desenvolvido primeiro com as borboletas. As crianças vivenciaram as fases da vida da borboleta e desenvolveram uma série de atividades, que foram muito bem aceitas, muito gratificantes tanto para os alunos quanto para as professoras. A ideia de repetir a experiência com outro inseto veio logo na sequência”, explica.

Foi disponibilizado um viveiro de joaninhas da espécie Harmonia axyridis cedidas pela empresa Promip – Manejo Integrado de Pragas e mantidas em um pequeno viveiro composto por uma caixa de polipropileno transparente com tampa.

Em conjunto com a observação dos animais em sala de aula, as crianças foram envolvidas pela professora em atividades pedagógicas e lúdicas como leituras, brincadeiras e atividades artísticas. Confeccionaram também jogos sobre o tema e utilizaram a caixa de atividades proposta no estudo Joaninhas em Ação.

Para Rosebelly, a observação desenvolveu a concentração, a curiosidade, a expectativa, desenvolvendo o método científico. “O encantamento aproxima a criança do verdadeiro ensino de ciências, do contato com a natureza, do respeito ao outro. Pensando no desenvolvimento, desde a coordenação motora, sentidos (visão), interação em grupo, autonomia”, conta.

Segundo Tatiana, foram muitos aspectos observados, mas o principal foi a mudança no olhar dos alunos em relação a natureza. As crianças após a experiência mostraram-se mais atentas e empáticas em relação a outros seres vivos e ao meio ambiente, inclusive buscando mais experiências ao ar livre. “Muitos cientistas vêm estudando nos últimos anos o chamado ‘déficit de natureza’, onde crianças que não brincam ao ar livre, estando expostas ao excesso de estímulos tecnológicos, estão mais propensas a desenvolverem problemas como: obesidade, diabetes, ansiedade e déficit de atenção”, diz.

Projeto da Escola – No ano passado, o Projeto Anual da Escola foi E.M. Professor Heitor Pompermayer: Experimentos e Experiências – Uma perspectiva do trabalho com Ciências da Natureza na Educação Infantil.

Segundo a diretora da escola Milena Pandolfo, todas as professoras desenvolveram trabalhos com enfoque na ciência da natureza. As turmas de berçário trabalharam o tema Os Alimentos e Os Cinco Sentidos.  Os maternais trabalharam Animais do Entorno da Escola e Bichos de Jardim, onde puderam observar o ciclo de vida das borboletas e aprender sobre características de insetos, e aves.

As turmas de jardim I desenvolveram o tema Os Quatro Elementos com vários experimentos que promoveram diversas experiências às crianças com a água, ar, terra e fogo. As turmas de jardim II estudaram Os Planetas e o Sistema Solar.

“Nesta organização, a Turma do Maternal II integral desenvolveu pesquisa sobre o ciclo de vida das Joaninhas com a professora Rosamaria Françoso Lucas Polizel e participação da professora Marcela Fernanda Esteves. “Foi realmente um trabalho fantástico que promoveu descobertas e principalmente o encantamento tanto das crianças como de toda a comunidade escolar”, disse.

Três professoras da unidade apresentaram relato oral na Jornada Pedagógica 2016, entre elas a professora Rosamaria que desenvolveu a pesquisa com as Joaninhas.

‹ voltar