SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PIRACICABA

Piracicaba sobe 23 posições em ranking de escolaridade

19 de outubro de 2017 • André Cruz

Ranking IPRS (Índice Paulista de Responsabilidade Social) elaborado pela Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) e Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados) mostra avanço da escolaridade em Piracicaba.

A cidade subiu 23 posições, da 210ª para 187º neste quesito e, em riqueza saltou do 47º lugar para o 37º. Em outro índice, o de longevidade, Piracicaba saltou da 323ª posição para a 266ª. Esses avanços mantêm a cidade no Grupo 1, que é o dos municípios com os melhores indicadores.

Para o prefeito Barjas Negri (PSDB) o índice é resultado de trabalho e investimento. “Eu fico muito contente ao receber essas informações. Já ocorreu na semana passada com os indicadores do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, ocorre agora com os indicadores da Assembleia Legislativa, ocorreu há dois meses com a pesquisa da Macroplan, ocorreu também com a pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Saneamento, colocando Piracicaba em posição destacada de saneamento. Eu queria dizer que é fruto de trabalho e de planejamento de muito tempo. Cada prefeito que passou deu a sua contribuição e eu tive a oportunidade de planejar e projetar a cidade para dez, quinze anos”, disse em entrevista à rádio Educativa FM.

De acordo com a secretária municipal de Educação, Angela Jorge Corrêa, esse resultado é consequência de políticas públicas implementadas. “São investimentos que priorizam a construção de escolas, ampliação de vagas e investimento em formação e contratação de professores e, fundamentalmente, da responsabilidade dos profissionais da Educação”, disse.

“O número de crianças na educação infantil passou de cerca de 6.000 em 2004 para 18.150 em 2017. No ensino fundamental o número de crianças atendidas passou de 10.948 para 16.508. Tivemos que construir muitas escolas. Em 2004 tínhamos 58 e hoje temos 133”, completou.

O estudo divulgado nesta quarta-feira, 18, mostra que a taxa de atendimento escolar de crianças de 4 e 5 anos variou de 97,2% para 96,2%. Já o desempenho de alunos do 5º ano do ensino fundamental da rede pública que atingiram o nível adequado nas provas de português e matemática saltou de 52,2% para 61,6% e a média da proporção de alunos do 9º ano do ensino fundamental da rede pública que atingiram o nível adequado nas provas de português e matemática variou de 21,3% para 21,5%.

De acordo com o levantamento, com esses números, o escore de escolaridade ficou acima da média estadual.

 

Para secretária, desempenho é resultado de investimento em políticas públicas

‹ voltar